1º Encontro Longeviver: Programação Completa - Santa Tereza Tem
Logo

1º Encontro Longeviver: Programação Completa

LAÇOS DE AFETO 26 à 29 de setembro

26/09 (quinta-feira)
19h | Solenidade de Abertura
Local: Cine Theatro Brasil Vallourec

19h30 | As Galvão
Local: Cine Theatro Brasil Vallourec
Setenta anos de carreira não são 70 dias. As irmãs Galvão cantam no palco as vivências e aprendizados colhidos ao longo da estrada que as deixaram conhecidas por clássicos como “No Calor dos Teus Abraços”, “Pedacinhos”, “Coração Laçador”, “Menino Canoeiro”, “Lembrança” e “Beijinho Doce”. Longevivendo bem a dupla continua sua trajetória cantando e realizando grandes shows com graça, simpatia e muita emoção.

27/09 (sexta-feira)
09h às 13h | Oficina Inventário Etnopoético Brasil com Gabriela Romeu, Marlene Peret e Anna Gobel
Local: Grupo Cultural Meninas de Sinhá
Este encontro-oficina é um convite para se narrar, compartilhar e escutar as narrativas das nossas infâncias, a partir de memórias e vivências, contares e cantares, saberes e fazeres. Nesse espaço, a infância é evocada como uma experiência que carregamos por toda a vida.

13h | Cine Lab 60+ com Gal Rosa
Local: MM Gerdau Museu das Minas e do Metal
Você sabia que o cinema ajuda a praticar habilidades empáticas através da identificação com as narrativas apresentadas em comparação com as nossas vidas? É acreditando nisso que o Cine Lab 60+ propõe sessões comentadas de cinema com objetivo de provocar o público presente a debater certos assuntos.

Com curadoria especial para a programação do Primeiro Encontro Longeviver as sessões serão voltadas para o entendimento e emoções enquanto envelhecemos. Após cada exibição será proposta uma conversa com o público presente que terá a oportunidade de confraternizar e trocar suas experiências.

15h | Roda de conversa: Mostra Especial de projetos 60+ com intervenção musical Meninas de Mocambeiro
Local: MM Gerdau Museu das Minas e do Metal
Pensando que é preciso unir forças e compartilhar experiências para melhorar o longeviver em nossa cidade, convidamos representantes de diversos programas, projetos, núcleos e grupos que atuam com o público idoso de BH para apresentarem suas iniciativas. O objetivo é buscar cada vez mais a excelência no atendimento e inspiração para novos projetos.

Intervenção especial: Meninas do Mocambeiro
Meninas do Mocambeiro é um grupo folclórico de mulheres cantadeiras das cantigas de roda de batuque. Influenciadas pela folia e pelo congado, essas dozes mulheres da comunidade de Mocambeiro em Matozinhos/MG, trabalham no resgate e valorização da cultura popular.

28/09 (sábado)

14h às 16h | Oficina Balaio de Sinhá Brasil com Meninas de Sinhá
Local: Praça Duque de Caxias
Um balaio típico do interior de Minas, com objetos que remetem ao universo da cultura popular e à valorização da mulher como guardiã da cultura em seu lar. Um grupo de Meninas com média de 70 anos dispostas a transformar esses objetos em novos saberes, por meio de performances, conversas, brincadeiras cantigas e jogos.

16h | Encontro Longeviver na Praça Duque de Caxias
Local: Praça Duque de Caxias
Coral do Sesc 60+
Nos anos 70, um grupo de idosos se reuniu para fazer aulas de bordado, ginástica e dança. Logo, o encontro evoluiu para passeios e bailes que movimentavam a unidade do Sesc Floresta. Não demorou para o Coral Sesc 60+ se formar com o intuito de resgatar valores e promover o senso de coletividade por meio da música. Para o grupo a música é sinônimo de alegria e aproximação entre as pessoas, tendo como base o afeto e o respeito à diferença.

Cantadores do Alto
Quatro amigos de longa data, seresteiros e cantadores, uniram suas vozes para fazer o que mais gostam: cantar! Formado por duas integrantes das Meninas de Sinhá, Ephigênia Lopes, 79, e Rosária Madalena, 71, e por dois amigos, Geraldo Almeida, 72, e Líbio Fernandes, 71, os Cantadores do Alto são sinceros adoradores das antigas serestas e compositores brasileiros consagrados. Em 2017, trouxeram para o público um repertório dedicado as mais ricas lembranças musicais de cada um, além de composições autorais.

Naquele Tempo
Criado na década de 70, o Grupo Naquele Tempo foi um dos primeiros grupos de choro de expressão surgidos em Belo Horizonte. Influenciado pelo reconhecimento e sucesso de músicos como Jacob do Bandolim, do mineiro Abel Ferreira e principalmente do grande mestre Pixinguinha, de cujo choro “Naquele Tempo” serviu de inspiração para dar nome ao grupo.
Com um sólido trabalho logo o grupo se firmou no cenário musical brasileiro sendo posteriormente convidado pelo grande compositor Cartola para acompanhá-lo em sua apresentação em Belo Horizonte no Palácio das Artes por duas vezes, em 1977 e 1978. Nesse espetáculo, o público ouviu pela primeira vez Cartola interpretar sua música “Autonomia”.

29/09 (domingo)

14h às 18h | Oficinas Encontro Longeviver na Praça Duque de Caxias
Local: Praça Duque de Caxias – Santa TEreza

Ateliê Laços de Memória com Mineirinhas do Brasil – Dona Jacintha das Bonecas
Filha de lavradores e sem dinheiro para comprar brinquedos, Dona Jacintha aprendeu, desde criança, a confeccionar suas próprias bonecas. Feitas inicialmente com sabugo de milho e, mais tarde, com retalhos de panos, as bonecas, com o jeitinho interiorano de Minas, conquistaram os corações. A proposta é construir junto com os participantes da oficina uma boneca de pano que retrate as memórias antigas infantis. Resgatar laços de memória, relembrar como produzir e talvez, fomentar a execução do artesanato para várias pessoas. O modelo da boneca que será ensinada foi transmitida por dona Jacinta, que conta a história de sua linda boneca há 40 anos e repassou para sua neta Cláudia.

Brincadeiras com Roquinho
Cantigas de roda e verso, bolhas de sabão, amarelinhas, bolinhas de gude, peão, passa anel, pular corda, cama de gato. Na oficina “ Brincadeiras de Roquinho” é possível reviver as tradicionais brincadeiras da infância brasileira que povoam a memória coletiva.

14h | Encontro Longeviver na Praça Duque de Caxias
Local: Praça Duque de Caxias
Ephigênia Lopes
Ephigênia Lopes lançou seu primeiro álbum, “Violão Amigo”, aos 75 anos. Integrante das Meninas de Sinhá há mais de 20 anos, traz na bagagem, além da cultura popular, sua paixão pelas cantoras de rádio. Seu espetáculo apresenta saudosos ritmos de marchinhas, boleros, serestas, sambas-canção e de breque, influências genuinamente marcantes da música popular brasileira. Suas composições nos tocam com simplicidade e ao mesmo tempo nos envolvem facilmente com letras e melodias marcantes, percorrendo os gêneros musicais da época de ouro em que ela cresceu.

Mestre Conga
Mestre Conga é a memória viva do samba e do carnaval de Belo Horizonte. Em mais de sete décadas de carreira, Conga coleciona histórias importantes, como o fato de ter fundado, em 1950, o Grêmio Recreativo Escola de Samba, que desfilou até 2010. A estrada é longa, mas com todas as dificuldades socioeconômicas o primeiro CD “Decantando em Sambas” veio somente em 2006 para deleite dos amantes desse ritmo tão brasileiro.

Viva Viola (música)
Viva Viola reúne seis importantes e talentosos violeiros, cantadores e compositores de Minas: Bilora, Chico Lobo, Gustavo Guimarães, Joaci Ornelas, Pereira da Viola e Wilson Dias. Símbolo do coletivo, do mutirão, o grupo procura desenvolver uma visão mais completa e contemporânea do universo da viola, além de refletir sobre os valores tradicionais.
A musicalidade do Viva Viola é a soma de talentos, da criatividade individual dos violeiros integrantes. Cada um vem de uma região diferente de Minas, cada um tem sua história e um sotaque que lhe é peculiar, mas que tem um elo com os demais: a cultura popular e o gosto pela viola.

ARTE DO SABER 1º à 9 de outubro

01/10 (terça-feira)

16h| Meninas de Sinhá – As Cantadeiras do Alto Vera Cruz
Local: Teatro Francisco Nunes

Um dos mais importantes ícones da cultura popular mineira as Meninas de Sinhá não só são anfitriãs como também integram a programação do Primeiro Encontro Longeviver! Em atividade desde 1989 o grupo, que inicialmente se chamava Lar Feliz, foi fundado pela moradoradora do Alto Vera Cruz Valdete da Silva Cordeiro (1938-2014). Visando a valorização pessoal das mulheres da comunidade e vislumbrando a melhoria da qualidade de vida de cada uma delas Valdete promovia encontros semanais.

Desses encontros nasceu a vontade de cantar, dançar e relembrar antigas cantigas de roda, cirandas e cantos de trabalho, o que se transformou no principal objeto de trabalho artístico do grupo. Em 1996 trocam o nome do grupo para Meninas de Sinhá e, desde então, vêm se afirmando no cenário cultural brasileiro. Hoje, cerca de 20 mulheres com idade entre 56 e 84 anos cantam e dançam sua cultura, promovem oficinas de vivências e shows pelo Brasil.

Em 23 anos de existência da ONG Meninas de Sinhá já visitaram cerca de 30 cidades, foram 2 vezes na Polônia, oferecem em sua sede para o público idoso da região, variadas oficinas gratuitas.

02/10 (quarta-feira)

9h às 13h | Oficina Habilidades e Talentos para a Vida e o Mercado de Trabalho com Rede Cidadã – Rede Sênior
Local: Centro de Referência da Pessoa Idosa
A Rede Cidadã é uma organização sem fins lucrativos que tem a missão de promover a cidadania por meio da geração de trabalho e renda. Nesse encontro, a instituição promove vivências que despertam um olhar sobre os fatores de desenvolvimento e fortalecimento de competências, habilidades e talentos do público 60+.

14h | Roda de Conversa: A importância da Tradição Oral e transmissão de conhecimento através de gerações com Mãe Efigênia, César Guimarães, Gabriela Romeu, Roquinho e Bernardina de Sena.
Local: Centro de Referência da Pessoa Idosa

A forma mais antiga de manter viva a história de um grupo social é através da oralidade. Mestres e Mestras da Cultural Popular contam como preservam e transmitem ensinamentos vindos das palavras (faladas) e não das letras (escritas). Mãe Efigênia (Quilombo Manzo), César Guimarães (Saberes Tradicionais UFMG), Gabriela Romeu (Infâncias), Roquinho (Carretel) e Bernardina de Sena (Meninas de Sinhá) falam sobre as vivências na preservação das tradições, histórias, conhecimentos e raízes de diversos grupos que continuam na luta para a transmissão às novas gerações.

19h| Roda de conversa: Encontro feminino de Atitude com Avós da Razão, Laura de Oliveira e Diva Guimarães.Mediação: Natália Menhem
Local: Auditório Uma Aimorés
Mulheres que rompem barreiras, preconceitos e tornam-se exemplo de educação e de vida. A conversa Encontro Feminino de Atitude é um tributo à história e à vivência de mulheres, que representam tantas outras e que seguem Longevivendo todos os dias.

04/10 (quinta-feira)
10h| Cine Lab 60+ com Gal Rosa
Local: Galpão Cine Horto
Você sabia que o cinema ajuda a praticar habilidades empáticas através da identificação com as narrativas apresentadas em comparação com as nossas vidas? É acreditando nisso que o Cine Lab 60+ propõe sessões comentadas de cinema com objetivo de provocar o público presente a debater certos assuntos.

Com curadoria especial para a programação do Primeiro Encontro Longeviver as sessões serão voltadas para o entendimento e emoções enquanto envelhecemos. Após cada exibição será proposta uma conversa com o público presente que terá a oportunidade de confraternizar e trocar suas experiências.

09/10 (terça-feira)
19h| “Francisco de Assis do Rio ao Riso” com Carlos Nunes e André Maurício
Local: Teatro Francisco Nunes
Nesta divertida comédia Carlos Nunes traduz a imagem de Francisco de Assis, não só do santo, mas do homem genial que ele foi da sua infância até a morte. Apresentando a humanidade com que enfrentou o desafio de mais amar que ser amado. Tudo isso permeado pelo humor característico do artista.

SAÚDE E MEIO AMBIENTE 24 à 27 de outubro

24/10 (quinta-feira)

13h30 | Roda de Conversa: Vamos Falar Sobre Sexualidade?
Local: Centro de Referência da Pessoa Idosa
Uma conversa franca e também romântica sobre sexo e sexualidade na maturidade com os psicólogos Jô Gouvêa e Gilwanya Ferreira. Abertura com Sandra Mallet especialista em sexualidade humana e Mestra em Promoção da Saúde e Prevenção da Violência.

14h | Palestra Amorosidade nas Práticas Coletivas com Tarcísio Homem
Local: Auditório Uma João Pinheiro
O amor educativo como fio condutor das práticas de ensino, formação e educação nos processos de criação artística. O amor que traz respeito ao corpo que dança, que estimula a criação da sua própria dança. Nesse encontro, o dançarino e professor Tarcísio Homem busca valorizar o público 60+ como indivíduo, sujeito de suas vivências e de seu próprio saber.

19h | Palestra Envelhecimento ativo e saúde integral com Kélvio Luis
Local: Auditório Uma João Pinheiro
Nessa palestra Kélvio Luis estimula práticas de vida saudável e envelhecimento ativo. Propondo o resgate da promoção da saúde de maneira integral, tendo a percepção do indivíduo como um todo. São abordados tópicos como a respiração consciente, percepção corporal e terapias naturais dentro do conceito Conviver.

25/10 (sexta-feira)

13h às 17h | Oficina Musicoterapia para Idosos e Cuidadores com Arthur Bortolus
Local: Centro de Referência da Pessoa idosa
A música é um dos principais caminhos para a cura e esta oficina tem como objetivo compartilhar práticas de saúde para o público 60+ por meio da musicalização. Serão desenvolvidas atividades de expressão corporal, voz e ritmos. A partir da identidade sonora que será identificada nos próprios participantes, é possível desenvolver as capacidades sociais, corporais, emocionais e afetivas. A maioria dos exercícios apreendidos poderão ser executados em casa.

13h às 17h| Oficina Ecojóias com Germana Arthuso
Local: Grupo Cultural meninas de Sinhá
Unindo cinco poderosas ferramentas de transformação: Arte, Arteterapia, Artesanato, Design e Educação Ambiental, essa oficina visa a criação, desenvolvimento e produção de ecojóias, confeccionadas com matéria orgânica encontrada na região e resíduos sólidos urbanos como embalagens plásticas, caixas de leite, câmara de pneu, fios de aparelhos, retalho de tecidos e sucatas em geral. Os materiais serão coletados dentro das casas das participantes e na comunidade.

13h às 17h| Oficina Quintal de ervas e inspirações: um legado de 3 gerações
Local: Quintal da Vó Maria
Neste encontro de afetos e aprendizado as portas do quintal de Dona Maria estarão abertas para oferecer a oficina “Quintal de ervas e inspirações: um legado de 3 gerações” . Nesta oficina, você vai conhecer a história da família Santana e aprender sobre ervas (com a benzedeira Dona Maria), sobre seu plantio (com sua filha Zélia, especialista em jardinagem) e a bordar sachês (com sua neta, a arte educadora Tatiana). Um encontro de afetos no quintal da Dona Maria.

19h | Palestra Cuidando do idoso frágil: intervenção da terapia ocupacional com Bárbara Cabral
Local: Auditório Uma João Pinheiro
Olhar para o idoso frágil sob a perspectiva da terapia ocupacional é o tema da palestra que a terapeuta ocupacional Bárbara Cabral irá apresentar. O que é exatamente o conceito de fragilidade? Quais as contribuições que a profissão pode trazer no processo do cuidado com esses idosos e para seus familiares? Essas e outras questões serão abordadas de maneira leve e interativa.

26/10 (sábado)

10h às 16h | Encontro Longeviver no Parque Municipal
Local: Parque Municipal
8h|Concentração para caminhada
8h30 às 10h | Oficina Larutan com Renato Ventura
Iniciando com um bate papo dinâmico sobre a vida na terceira idade, seguido de uma apresentação de dança. Logo após ocorrerá a oficina de Larutan (Ser natural) para a proporcionar a vivência na prática.

09h às 13h| Oficina Bordado Livre com SESC Floresta
Além de fonte de renda o bordado é também tradição e arte. Com o objetivo de valorizar o ofício de bordar essa oficina trabalha com a utilização de diversas técnicas manuais de bordado, além de incentivar esse trabalho que é gerador de renda e contribui para a melhoria da auto-estima de quem pratica.
Durante os encontros, que são ainda um delicioso espaço de confraternização, serão desenvolvidas práticas de bordar nos níveis iniciante, intermediário e avançado, conforme perfil da turma. Cada trabalho final será um retrato de experiências vividas e acumuladas por indivíduos que se inspiram no amor, na saudade, na família, na esperança e na alegria, para alinhavar suas histórias com extrema sensibilidade.

10h|CAMINHADA LONGEVIVER

10h| Mesa de Thereza
Ação desenvolvida pela artista Thereza Portes, é uma intervenção e aproximação de pessoas que transitam em um centro urbano. A proposta é promover o diálogo entre os participantes a partir das histórias do centro de Belo Horizonte. Uma síntese dessas conversas representadas por palavras, frases ou desenhos estão sendo bordadas, há oito anos, em uma toalha coletiva, usada para forrar uma grande mesa compartilhada na rua com bolos, biscoitos e xícaras variadas. A Mesa de Thereza é um projeto permanente do Laboratório Undió de Intervenções na rua Padre Belchior.

12h | Movimento Black Soul
Movimento Sou BH Cultura de Rua tem o intuito de divulgar o estilo musical Soul e seus dançarinos, promovendo encontros espaços públicos. Depois de doze anos de intensas atividades por todas as regiões de BH, o Movimento tornou-se referência da cultura negra de BH e um grande exemplo de como Longeviver melhor.

10h às 16h | Feirinha Longeviver
Um espaço de exposição e comercialização direta de artigos artesanais, manuais e semi-industrializados de artesãos e ou grupos de pessoas com mais de 60 anos, incentivando cooperação, geração de renda, valorização dos produtos locais, produção artesanal, preço justo e sustentabilidade.

27/10 (domingo)

10h às 16h | Encontro Longeviver no Parque Municipal
Local: Parque Municipal

Conversamba
Formado por moradoras da Pedreira Prado Lopes, o Conversamba resgata a história do samba da Lagoinha, trazendo um repertório de músicas autorais que contam a história de pessoas, lugares e costumes da região que é berço do samba em Belo Horizonte. Carregando a elegância de mestres como Dona Yolanda, Mestre Lagoinha e Senhor Rolando Coisa Nossa, o grupo acolhe novos sambista e aguçam nos moradores o sentimento de orgulho e pertencimento à cultural local.

Dona Jandira
Aos 80 anos, Dona Jandira impressiona a todos quando está no palco e canta com sua voz singular e impregnada de emoção. Sua história na música começou cedo, aos 9 anos, em Maceió, mas sendo uma mulher negra sentiu na pele o peso do preconceito. Sua carreira como intérprete deslanchou somente em 2004 e teve seu primeiro CD lançado em 2008. “Afinidades”, obra lançada em 2017, a consagrou como uma referência de alguém que realmente sabe como Longeviver melhor.

Banda da Polícia Militar
As Bandas de Música são instituições antigas da sociedade, possibilitam a expressão de diversos estilos musicais e são importantes formas de manifestação cultural estando presentes em momentos sociais marcantes das comunidades.

Feirinha Longeviver
Um espaço de exposição e comercialização direta de artigos artesanais, manuais e semi-industrializados de artesãos e ou grupos de pessoas com mais de 60 anos, incentivando cooperação, geração de renda, valorização dos produtos locais, produção artesanal, preço justo e sustentabilidade.

COMUNICAÇÃO E FUTURO 04 à 24 de novembro

De 4 a 8 e 11 à 13/11 (segunda a sexta e segunda a quarta)

13h às 17h | Oficina de Redes Sociais com Gal Rosa
Local: 04/11 (segunda-feira) | Centro Cultural Salgado Filho
05/11 (terça-feira) | MM Gerdau Museu das Minas e do Metal
06/11 (quarta-feira) | Centro de Referência da Pessoa Idosa
07/11 (quinta-feira) | Memorial Minas Gerais Vale
08/11 (sexta-feira) | Centro Cultural Padre Eustáquio
11/11 (segunda-feira) | Grupo Aconchego
12/11 (terça-feira) | Grupo Aconchego
13/11 (quarta – feira) | Grupo Cultural Meninas de Sinhá

A tecnologia recriou o mundo de forma muito rápida e não deu tempo de todos se adaptarem às suas exigências. Quem chega hoje à fase dos 60+ sabe muito bem disso. É com o objetivo de contribuir para a redução dessa barreira tecnológica que limita tantas relações sociais e a comunicação que a oficina #60+Tech acontece.

13 a 15 e 18 a 22/11 (quarta à segunda e segunda a sexta)

13h às 17h | Oficina de Produção de fotos pelo celular ou câmera com Cecília Pederzoli
Local:
13/11 (quarta-feira) | MM Gerdau Museu das Minas e do Metal
14/11 (quinta-feira) | Centro de Referência da Pessoa Idosa
15/11 (sexta-feira) | Memorial Minas Gerais Vale
18/11 (segunda-feira) | Grupo Aconchego
19/11 (terça-feira) | Grupo Aconchego
20/11 (quarta-feira) | Grupo Cultural Meninas de Sinhá
21/11 (quinta-feira) | Centro Cultural Salgado Filho
22/11 (sexta-feira) | Centro Cultural Padre Eustáquio

Botando Reparo é uma oficina de fotografia voltada para o público 60+ que quer descobrir a beleza que existe em todo lugar. Usando câmeras de celular vamos registrar juntos descobertas e postar nas redes sociais. A proposta incentiva a observação de elementos básicos no universo da fotografia, como luz e sombra, cor, forma e composição.

19/11 (terça-feira)
13h às 17h | Oficina de Produção de fotos pelo celular ou câmera com Cecília Pederzoli
Local: Grupo Aconchego

19h | Palestra Direito nas relações pessoais e comerciais dos idosos com Luis Vicente e Mônica Coelho
Local: Auditório Uma João Pinheiro
Visando abordar a forma com a qual o direito brasileiro procura estabelecer mecanismos legais de controle e proteção ao patrimônio das pessoas que atingem a maturidade Luis Vicente e Mônica Coelho conduzem a palestra “Relacionamento amoroso e a proteção jurídica aos bens dos Idosos”.

20/11 (quarta-feira)
13h às 17h | Oficina de Produção de fotos pelo celular ou câmera com Cecília Pederzoli
Local: Grupo Cultural Meninas de Sinhá

21/11 (quinta-feira)
13h às 17h | Oficina de Produção de fotos pelo celular ou câmera com Cecília Pederzoli
Local: Centro Cultural Salgado Filho

15h | Cine Lab 60+ com Gal Rosa
Local: Galpão Cine Horto
Você sabia que o cinema ajuda a praticar habilidades empáticas através da identificação com as narrativas apresentadas em comparação com as nossas vidas? É acreditando nisso que o Cine Lab 60+ propõe sessões comentadas de cinema com objetivo de provocar o público presente a debater certos assuntos.
Com curadoria especial para a programação do Primeiro Encontro Longeviver as sessões serão voltadas para o entendimento e emoções enquanto envelhecemos. Após cada exibição será proposta uma conversa com o público presente que terá a oportunidade de confraternizar e trocar suas experiências.

19h | “Seu Geraldo Voz e Violão” com Grupo Pigmalião Escultura que Mexe (teatro)
Local: Memorial Minas Gerais Vale
Seu Geraldo é um violeiro e cantor de setenta e três anos. É uma figura singular que gosta de falar com a sua plateia sem barreiras, sobre o assunto que a ocasião mandar. Faz seu show ao lado da namorada Dona Catarina, de oitenta e um anos, e Ana, sua irmã. Os três relembram músicas antigas e sempre surpreendem pela escolha deu seu repertório e pelo teor inesperado até de suas conversas mais triviais. Seriam três idosos como outros tantos, não fossem eles marionetes de fios esculpidas em madeira absolutamente conscientes de que são seres humanos normais com os mesmos direitos e deveres de qualquer cidadão.

22/11 (sexta-feira)

10h | Palestra Tecnologia Assistiva e a Vida do Idoso com Marcos Bortolus
Local: Grupo Cultural Meninas de Sinhá
Nessa palestra voltada para o público em geral, especialmente aos idosos e seus cuidadores e familiares, Marcos Bortolus apresenta o conceito de tecnologia assistiva e suas possibilidades de classificação; além de discutir os benefícios que elas podem promover na vida dos idosos aumentando sua autonomia em relação mobilidade, comunicação e integração com a sociedade em geral e o meio ambiente. Serão abordados ainda os custos envolvidos no desenvolvimento e na aquisição dessas tecnologias assistivas.

13h às 17h | Oficina de Produção de fotos pelo celular ou câmera com Cecília Pederzoli
Local: Centro Cultural

16h | Roda de conversa: Políticas Públicas para Idosos
Local: Memorial Minas Gerais Vale

Em Belo Horizonte, a população idosa já ultrapassa 370 mil pessoas, e, diante dos desafios do crescente envelhecimento da população, faz-se necessário discutir e avaliar políticas públicas promovidas pelas entidades dos executivos Federal, Estadual e Municipal, que buscam garantir um envelhecimento digno. Para debater a política de envelhecimento e analisar a efetividade das ações e medidas executadas, serão convidados membros do poder público municipal e estadual e da sociedade civil, de forma a ampliar o acesso às informações de agendas governamentais e criando condições de maior participação nas discussões e decisões que garantam os direitos fundamentais dos idosos em diversas frentes, como saúde, assistência social, previdência, moradia, transporte, educação, cultura, esporte e lazer.

23/11 (sábado)

10h | Roda de conversa: Meios de Comunicação de Ontem e de Hoje
Local: Auditório Memorial Minas Gerais Vale
Um bate-papo saudoso mas também contemporâneo com Múcio Bolivar, Roberta Zampetti e Vovó Neuza. Intervenção artística com Dona Jandira.
Histórias dos meios de comunicação, com imagens ilustrativas dos equipamentos e tecnologias utilizados ao longo do tempo: uma sequência cronológica que discute o avanço do conceito da ação comunicativa e coloca em pauta reflexões sobre as relações sociais de hoje principalmente para o público 60+.

14h | Roda de conversa: Longeviver para o Futuro com Beltrina Corte e Vera Brandão
Local: Auditório Memorial Minas Gerais Vale

Todos querem viver muito e bem! Como fazer frente ao grande desafio do longeviver já que a população com 60 anos é a que mais cresce de modo significativo em todo mundo? Esta é a realidade com a qual nos deparamos cotidianamente. A roda de conversa tem como objetivo partilhar experiências e informações sobre temas variados visando esclarecer dúvidas e ampliar nossos conhecimentos para longeviver com qualidade e apoiar aqueles que já alcançaram esta etapa da existência. Apesar da modernidade e o acesso cada vez mais fácil às informações, percebemos que ainda existem preconceitos e informações desencontradas a respeito desta fase da vida humana. A informação correta e bem fundamentada é a melhor maneira para entender e viver bem esse ‘novo tempo’, e poder apoiar aos que já estão na fase mais avançada.

24/11 (domingo)
19h | Rolando Boldrin com Abertura de Meninas de Sinhá
Local: Palácio das Artes
Rolando Boldrin é um verdadeiro cantador de histórias. Intercalando causos hilários com antológicos e clássicos números musicais, ele encanta qualquer plateia. Com improviso, bom humor e grande interação com o público, transforma cada apresentação em um espetáculo único. O envolvimento da plateia é tamanho que para além de espectadores se tornam parte do show.

Endereços de realização do projeto:
Una Aimorés: Rua dos Aimorés, 1451 – Lourdes
Una João Pinheiro: Av. João Pinheiro, 515 – Centro
Centro Cultural Padre Eustáquio: R. Jacutinga, 821 – Padre Eustáquio
Centro Cultural Salgado Filho: R. Nova Ponte, 22 – Salgado Filho
Centro de Referência da Pessoa Idosa: R. Perdizes, 336 – Caiçaras
Cine Theatro Brasil Vallourec: Av. Amazonas, 315 – Centro
Grupo Aconchego: R. Josafá Belo, 427 – Cidade Jardim
Grupo Cultural Meninas de Sinhá: R. Fernão Dias, 3313 A – Alto Vera Cruz
Quintal da Vó Maria: R. Tenente Garro, 548, Santa Efigênia
Memorial Minas Gerais Vale: Praça da Liberdade, s/n – Funcionários
MM Gerdau: Praça da Liberdade, s/n – Funcionários
Palácio das Artes: Av. Afonso Pena, 1537 – Centro
Parque Municipal: Av. Afonso Pena, s/n – Centro
Praça Duque de Caxias: R. Mármore, 200 – Santa Tereza
Teatro Francisco Nunes: Av. Afonso Pena, s/n – Parque Municipal

Anúncios