Aquilombô – Fórum Permanente de Artes Negras - Santa Tereza Tem
Logo

Aquilombô – Fórum Permanente de Artes Negras

 Aquilombô – Fórum Permanente de Artes Negras debate sobre as estéticas e narrativas negras em variadas linguagens artísticas

Criado em 2017, o Aquilombô, mais do que aglutinar uma série de atividades ligadas à produção da arte de matriz africana, propõe reflexões sobre as construções acerca do imaginário do e sobre o negro, o lugar de fala, o racismo estrutural e os estereótipos.

A programação diversa e se estende ao longo do ano com o conceito de “arquipélago” compreendendo o Aquilombô como um grande espaço de conexão e diálogo público, intelectuais e pensadoras afrobrasileiras que refletem acerca das várias linguagens artísticas como música, teatro, audiovisual, fotografia dança, literatura, gastronomia e artes plásticas. 

Nos dias 26 e 27 de maio, a partir das 20h, o Aquilombô retorna ao Teatro Francisco Nunes com a peça Madame Satã. A história de um dos mais peculiares personagens brasileiros levanta questões que permeiam a critica contra a homofobia e o racismo. Com trilha sonora inédita, o espetáculo é entrecortado por textos ora poéticos, ora combativos, e traz à tona não apenas a biografia de Satã, mas discute e questiona padrões estéticos e comportamentais hegemônicos. A peça foi indicada pelo prêmio Aplauso Brasil na categoria Melhor Musical em 2017.  Os ingressos custam a partir de  R$ 10,00.

 A programação de abertura conta ainda com a residência artística “Conversa Pra Boi Não Dormir: Qual fórum nós queremos?” com Zora Santos. O encontro é aberto ao público e será realizado no domingo, dia 27/05 na Casa do Cachoeirinha (Rua: Nossa Senhora do Brasil, 707 – Cachoeirinha) com almoço a  R$ 35,00 e toda a renda será revertida para o Aquilombô.

O evento de abertura do Aquilombô 2018 é uma realização da Associação Campo das Vertentes e Grupo dos Dez, com patrocínio da Codemge, através edital de eventos do primeiro semestre.

Resistência através das narrativas

O Brasil possui uma das maiores populações negras do mundo, é a segunda maior fora do continente africano, perdendo apenas para a Nigéria. Apesar de se tratar de um território onde o povo negro constitui cerca 52% da população, há uma disparidade perceptível no que diz respeito à representação política e presença de negras e negros nos espaços midiáticos e de decisão, isso sem falar nos números ligados à violência e exclusão onde os negros aparecem com maior vulnerabilidade social.

 Na arte não é diferente, por isso e por entender a arte negra para além da militância, dando a mesma o status de linguagens diversas, com grande e complexa  elaboração estética é que surge a idéia do Aquilombô – Fórum Permanente das Artes negras. Idealizado por Rodrigo Jerônimo e produzido pelo Grupo dos Dez, o projeto é inédito na cidade, pois não se trata apenas de um festival, mas é exatamente o que o nome entrega, um “Fórum Permanente das Artes Negras” que trata de discutir o olhar sobre as manifestações de matriz africana, como são representadas e por quem, que é um fator crucial em todo o processo.

Para a segunda edição do Aquilombô, com curadoria de Anderson Feliciano e Rodrigo Jerônimo, o projeto foi concebido a partir da imagem de um arquipélago reafirmando uma poética pela diversidade. “Criamos um fórum permanente de debates a cerca de nossas estéticas negras, partindo do principio que a cultura negra é uma cultura das encruzilhadas, ou seja: lugar de interseções, de produção e comunicação de sentido”, pontua Anderson Feliciano.

A programação de abertura conta ainda com a Residência Artística liderada por Zora Santos “Conversa pra Boi não Dormir: Qual fórum nós queremos?”, no domingo, dia 27, a partir das 10h (Casa do Cachoeirinha/ Rua: Nossa Senhora do Brasil, 707 – Cachoeirinha). O objetivo é, através de oficinas que debatem a gastronomia afro brasileira, pensar a cozinha como um lugar importante na transmissão de saberes negros. “Será também uma oportunidade de ouvir artistas e representantes do poder público sobre o fórum que queremos”, explica Rodrigo Jerônimo, diretor e um dos curadores do Aquilombô 2018.

Ele aponta também que, para a segunda edição, serão 24 artistas negras trans e cis discutindo a estética negra, “elaborando criticamente pensamentos acerca de nossas performances, além do lançamento do selo editorial Aquilombô, que prevê a publicação de obras literárias de indígenas e pretas”, contextualiza.  

 Contexto histórico

“Em 1944, Abdias Nascimento, poeta, ator, escritor, dramaturgo, artista plástico, professor, político e ativista dos direitos civis e humanos das populações negras, fundou, no Rio de Janeiro, o icônico Teatro Experimental do Negro. Entre as inúmeras motivações ideológicas que o levaram a idealizar o TEN estava o desejo de criar um teatro onde o negro não fosse apenas tema, mas que pudesse ser protagonista de sua própria história e fabular sobre outros possíveis mundos”, pontua Anderson Feliciano, um dos curadores do projeto, lembrando que, “ao longo de mais de 70 anos, as estruturas racistas ainda insistem em  invisibilizar a comunidade negra e neste contexto o  Aquilombô: Fórum Permanente das Artes Negras, surge como possibilidade de construção de outros imaginários, elaboração de outras narrativas e ainda como resignificação dos espaços hegemônicos das artes”, situa.

“O Aquilombô surge no intuito de causar deslocamentos, movimentos tectônicos, proporcionando assim a formação de arquipélagos para dar protagonismos para nossas próprias narrativas, conectando corpos marginalizados e tendo como objetivo a resignificação dos espaços hegemônicos das artes brasileiras e mundiais. Este ano serão 24 artistas negras trans e cis discutindo a estética negra, elaborando criticamente acerca de nossa perfomance, lançamento do selo editorial Aquilombô, que prevê a publicação de obras literárias de indígenas e pretas”, conclui Rodrigo Jerônimo

SERVIÇO

Abertura Aquilombô: Fórum Permanente das Artes Negras

*Madame Satã Quando: 26 e 27 de Maio às 20hs. Onde: Teatro Francisco Nunes. Av. Afonso Pena, s/n – Centro, Belo Horizonte – MG, 30130-002 Telefone: (31) 3277-6325 Pague quanto puder: (R$ 10,00 – 20,00 ou 30,00). Foto: Guto Diniz

Compre pelo Link: https://goo.gl/M911ob

 Conversa Pra Boi Não Dormir: Qual fórum nós queremos? Com Zora Santos, ex-modelo internacional e culinarista Local: Casa do Cachoeirinha/ Rua: Nossa Senhora do Brasil, 707 – Cachoeirinha Data e horário: dia 27/05, a partir das 10hs Almoço R$ 35,00 – toda a renda será revertida para o Aquilombô

 Contatos: Rodrigo Jerônimo 31 9240 0410 e Rodrigo Feliciano – 31 9933 60881

 

Anúncios